construa seu lago


Construa Seu Lago

Não temos a pretensão de ensinar você a construir seu próprio lago, mas daremos algumas orientações que terão mais valia para aqueles que estão iniciando. Então, faremos em forma de perguntas e respostas, acreditamos que assim ficará mais simples de entender. Partirmos do pré-suposto que nesse lago serão criados belos nishikigois (que são peixes extremamente resistentes e se adaptam em todo o clima brasileiro) e o sistema será fechado (com pouca taxa de renovação de água).

1-Qual a primeira coisa que devo fazer para construir meu lago?
A primeira coisa a se fazer é saber quais são seus objetivos em relação a ele, partiremos do princípio que você queira criar peixes de água doce (o que é bem diferente de peixes de água salgada), ou que além dos peixes você também queira criar plantas hidrofílicas. Então este é o primeiro passo, assim que estiver definido você deverá saber o máximo que puder sobre as vidas aquáticas que pretende desenvolver no seu futuro lago, ou seja, suas necessidades, cuidados e condições para que tais aspectos sejam atendidos.

2-Que tamanho deve ter o lago?
A proporção do lago é muito importante e isso tem a ver não só com as condições ideais para o desenvolvimento dos nishikigois, mas também com a disponibilidade de água e recursos financeiros. Seria muito bom que o lago tivesse na sua parte mais funda pelo menos 80 cm de profundidade (fora a distância que se recomenda de 30cm entre o nível da água e a borda). O espelho d'água (área da superfície) deve ter pelo menos 4 m², quanto mais profundo for, maior deverá ser o espelho d'água ou será quase que inevitável a necessidade de oxigenação artificial no sistema e iluminação direcionada. As dimensões apresentadas não são regras intocáveis, já que o nishikigoi cresce de acordo com o tamanho do ambiente em que está inserido.

3-Qual a forma do lago?

A forma do lago poderá ser geométrica ou orgânica, sendo muito interessante que se harmonize com o local e arquitetura, seja com relação ao interior da residência ou com relação aos aspectos geográficos do terreno. Recomendamos evitar, principalmente nos tanques com formas geométricas, os cantos vivos, devido ao acúmulo de sujeira e à maior facilidade para o surgimento de trincas. Outro aspecto que não aconselhamos   são   os

lagos com formato seccional de "prato", sendo o ideal que o lago possua paredes quase perpendiculares em relação ao fundo, pelo menos após os primeiros 20 cm contados a partir do nível d'água. O fundo deverá ser bem estudado, tendo tantos pontos de "saída" de água (retorno para a bomba d'água) quantos forem necessários (quanto maior o lago maior será esse número), sendo ideal que haja uma inclinação de, no mínimo, 5º, descendente no sentido destes pontos.

4-Qual o melhor local para construir o lago?
Muito se fala sobre isto, mas hoje em dia pode-se construir praticamente em qualquer lugar, então escolha o local que mais lhe agrade, lógico que para isto devemos estar atentos para alguns detalhes como:

Árvores: se houver muitas árvores nos arredores de seu lago, você certamente terá que se preparar para enfrentar no mínimo quatro inconvenientes. O primeiro deles será o cuidado com as raízes daquelas que já estão no local ou das que ainda serão plantadas, pois elas poderão vir a danificar as paredes ou o fundo do seu lago, mesmo se ele for de concreto armado (muito mais cuidado ainda com árvores como a seringueira). O segundo inconveniente são as folhas que cairão sobre a água e depois afundarão (leia mais na seção "ciclo do nitrogênio"), no entanto este segundo problema pode ser facilmente contornado, bastando para isso, retirar as folhas diariamente ou ainda instalando um filtro do tipo "skimer", que tem como função a limpeza  da  superfície  d'água. O  terceiro  problema

seria a chuva após um período de estiagem, pois as folhas (assim como os telhados, varandas e terraços) acumulam uma grande quantidade de pó ou poeira que seria assimilada pelas águas. O último contratempo com relação às árvores nas proximidades de seu lago, é a possibilidade de queda de galhos maiores ou até da queda da própria árvore durante uma tempestade, por causa de uma descarga elétrica (raio) ou outros motivos.
A posição do sol:
na realidade devemos pensar quantas horas o lago estará exposto diretamente aos raios solares e em que proporção. O ideal seria que o lago tomasse sol apenas na parte da manhã (até aproximadamente 11:00h). É normal que um lago muito exposto ao sol apresente problemas como explosão de algas e alta temperatura e em conseqüência de ambos, baixa oxigenação. Isso se tornará uma regra se providências simples não forem tomadas, como por exemplo, sistema de oxigenação e sombreamento ou ainda um sistema de esterilização como o UV (lâmpadas ultravioletas). Pouca luminosidade também sinaliza problemas como algas marrons e desenvolvimento de doenças, hoje existem diversos tipos de lâmpadas para tais deficiências, que são mais comuns em ambientes interiores; lembrem que a luz é essencial para o bom desenvolvimento  não  só  dos  nishikigois  como  para  as  plantas  e  demais vidas  aquáticas.
Equipamentos: os equipamentos deverão se concentrar no mesmo local que costumamos chamar de casas das máquinas, para facilitar o controle do sistema e manutenção. Alguns equipamentos, dependendo dos escolhidos e fabricantes, podem proporcionar ruídos indesejáveis, isso não é uma regra, mas seria bom pensar nisso, (até para evitar contratempos durante uma possível manutenção ou reposição).
Chuva: A chuva não é um problema, principalmente em lagos de maiores proporções (que são mais estáveis), mas devemos evitar que água de chuva vinda de telhado, cobertura, jardim ou solo, recaia diretamente no lago.
Produtos de limpeza: evite que produtos de limpeza (diluídos em água ou não) caiam diretamente no lago, esse tipo de problema é mais comum nos ambientes interiores durante a limpeza do piso ou janelas.

5-Do que pode ser feito o tanque ou o lago?
Hoje em dia temos lagos e tanques construídos desde alvenaria até material vinílico, todos possuem suas vantagens e limitações. Por exemplo, já vi lagos feitos de rochas inapropriadas por alcalinizarem a água por demais, então seria certo dizer para todos evitarem pedras? Lógico que não. A composição da rocha ou pedra deve ser sabida de antemão evitando tais problemas, assim como os parâmetros de qualidade da água disponível. Alguns materiais vinílicos com o tempo liberam toxinas na água, outros não, alguns materiais plásticos ressecam com o sol ou impedem que você esvazie seu lago na totalidade ou parcialmente (devido a pouca resistência mecânica), fibras de vidro dependendo da última camada (acabamento) poderão apresentar desgastes químicos e a partir de então liberar micro-fibras que são maléficas aos peixes; para cada caso é importante consultar o fabricante e que ele seja idôneo em suas respostas.
A maioria das pessoas constrói lagos em alvenaria e concreto, e neste caso aconselhamos a supervisão de um arquiteto, engenheiro ou empresa especializada, principalmente em tanques e lagos de maiores proporções, pois poucos conseguem imaginar a força potencial da água represada. A questão da impermeabilização também é um aspecto tão importante para os peixes e o lago como para as demais construções que porventura possam existir nas proximidades do mesmo, mais uma vez o arquiteto ou o engenheiro civil poderão lhe ajudar muito, apenas vale lembrar que nem todos elementos utilizados na impermeabilização são recomendados quando se trata de criar nishikigois ou quaisquer outros tipos de vidas aquáticas.
O preparo do terreno e sistema hidráulico antecede ao ato de construir propriamente o tanque ou lago, sejam eles aterrados no solo ou suspensos. Muita atenção nesta fase.

6-Quais os equipamentos necessários?

Este item é crucial para o bom funcionamento e manutenção da qualidade da água (consulte nos sempre que possível). Não é possível dizer o que realmente é necessário e definir sua especificação sem a visualização do projeto, mas podemos adiantar quais equipamentos são comumente indicados: Bomba d'água (as mais utilizadas são as bombas centrífugas e bombas submersas), filtro mecânico (não recomendamos o filtro de areia conhecido como filtro de piscina, lembre que piscina não tem peixe) e filtro biológico (podendo ser utilizados inúmeros elementos para efetivar a fixação das bactérias). Outros equipamentos podem ser indicados como um esterilizador UV ou filtro químico com carvão ativado, por exemplo. Chafarizes e cascatas além da função decorativa ajudam (pouco, às vezes muito) na oxigenação da água.
Alguns equipamentos não têm um nome específico, mas formam sistemas de controle de vital importância, esses sistemas são basicamente formados por tubos e registros que controlarão o nível de água em cada estágio do tanque ou do lago, vazão em vários pontos (nos equipamentos inclusive), prevendo diversas situações como: reabastecimento, circulação alternativa, manutenção, paralisação do sistema, proteção de excesso ou fuga d'água, irão ter a função de equalização de coluna d'água e pressão, de sucção ou bombeamento, drenagem parcial ou total, retrolavagem de sistemas específicos, entre outras funções.
Tudo isto visando a segurança, proteção, equilíbrio e bom funcionamento do lago e de todo o conjunto de equipamentos. Apesar de parecer complicado é muito simples e, por incrível que pareça, é a parte mais "barata" de todo o projeto (tubos, flanges, conexões, registros, etc), porém cada lago terá uma formatação única.


fale conosco


                Contato (11) 99982-5435 - São Paulo ou (11) 3341- 5046 -
São Paulo

Olá! Eu sou o Kohakito!

©2004 Brazilian Koi. Todos os direitos reservados.

voltar ao início